Minha vida e a música.

Entre tantas coisas que faço na vida, a música é a única da qual não consigo e nem quero me desligar.

Uma vez envolvido pela música, não há como se desapegar. A música é algo que transporta você para níveis inimagináveis de calma, paciência e de capacidade de superação entre muitas outras coisas.

Quem já pensou em deixar a música de lado e não conseguiu? Eu com certeza fui um. Meu contato real com um instrumento musical, o momento em que fui marcado com a música, não foi tão cedo e nem fácil. Apesar de hoje ter um irmão que toca saxofone e que eu me lembre, ter um primo sanfoneiro, lá pelas bandas do Ceará, eu não vim de uma família de músicos, em minha infância não vivi rodeado por artistas, não ouvi Jazz, Bossa Nova, música instrumental ou algo do gênero. O máximo de contato com a música nessa época era como alguns vinis que meu pai tinha e o rádio de vez em quando.

Mas um dia quase que do nada me apaixonei ao ver de perto alguém tocar violão, não sei dizer se naquele momento eu escolhi a música ou ela me escolheu, o que sei é que desse dia em diante o presente que desejei ganhar foi um violão e enquanto o presente não chegava eu inventava os violões de madeira feitos de pedaços de madeira pregados em ripas com trastes riscados em giz de cera ou lápis preto. Até que um dia meu pai me fez essa surpresa que mudou minha vida. No meu aniversário de 11 anos ganhei meu primeiro violão.

Daí em diante, nunca mais consegui me desgrudar da música. Claro que aprender o pouco que sei, não foi e nem é fácil. Nunca tive a oportunidade de estudar música de verdade, e confesso que ser autodidata não é a melhor coisa do mundo. Com o avanço da tecnologia é a expansão da internet no entanto muita coisa melhorou ficou mais fácil aprender algumas coisas, fazer cursos online como faço hoje com o mestre guitarrista John Cassio. Mas ainda acho que é bem melhor esta na sala de aula, ter a presença do mestre analisando seu crescimento, apontando seus erros, mostrando novos caminhos; mas essa facilidade tecnológica sem dúvidas salva muita gente e é possível aprender muito dessa forma, hoje se tem muito mais informação do que a anos atrás quando comecei aprender meus primeiros acordes com as revistinhas cheias de erros que eu conseguia, mas era o que tinha, pelo menos ao meu alcance.

A vida de músico não é fácil, e  como escrevi no inicio desse post eu pensei em desistir algumas vezes, em um momento da minha vida cheguei a doar meus instrumentos, amplificadores, efeitos e decidi não tocar mais. Acho que foi o maior erro da minha vida e felizmente consegui retornar. Quase entro em depressão e pra ser sincero só melhorei depois que voltei a tocar. Nesse tempo afastado da música me submeti a outros trabalhos que me renderam uma lesão por esforço repetitivo, uma cirurgia e uma ancora no ombro direito. Não foi muito legal.

A música pra mim tem um poder curador, tranquilizador. Meus estresses hoje são aliviados quando paro tudo, pego a guitarra, violão, as vezes até o teclado e esqueço o mundo os problemas, as dores, as dificuldades; ou quando estou no palco com amigos fazendo música. Não tenho como deixar, fugir de algo que me faz tão bem é impossível.

Hoje encaro um novo desafio na minha vida musical, que é colocar a música como prioridade e aprender sobre o estilo que pra mim é fenomenal e me encanta, o Jazz. Aprendi amar o jazz e suas vertentes e hoje teria uma lista extensa de grandes nomes do jazz que admiro, mas as pessoas que realmente me fez olhar para o Jazz, são igualmente admiradas por mim, trata-se de um guitarrista fantástico chamado Gilson de Souza, um jazzista sem igual e uma pessoa fantástica. Junto com ele o meu grande amigo Ítalo Jimenez, saxofonista e flautista excepcional. Pessoas que tem música no coração como ar em seus pulmões, grandes músicos e pessoas maravilhosas. Agradeço a Deus por eles existirem.

Confesso que ando bem distante do que gostaria de ser como Jazzista, é uma nova estrada cheia de possibilidades que ainda tenho que descobrir, Mas realmente é isso que quero fazer e agora iniciarei novas buscas para chegar onde preciso.

A caminhada continua, as dificuldades são muitas mas não podemos desistir dos nossos sonhos. É hora de encarar novos desafios e continuar respirando música. Vamos manter a música viva dentro de cada um de nós!

Leonardo Oliveira.